TEA - Transtorno do Espectro Autista Conhecer para mediar

 

A infância é como uma escola da vida. Embora as crianças não tenham a capacidade de discernir muitos aspectos do mundo exterior, é inegável que a partir dos primeiros contatos com seus pais, irmãos e outras pessoas de seu convívio; algumas habilidades podem ser aprimoradas. O ato de dividir pode ser um deles.

Todos os pequenos costumam ter aquela sensação de posse, seja de um brinquedo, de um objeto ou até mesmo da atenção de um adulto. Esse comportamento é absolutamente normal, sendo que por volta dos 6 anos, eles já começam a estabelecer uma determinada empatia.

Em crianças com o Transtorno do Espectro Autista (TEA) ocorre a mesma coisa. Entretanto, é preciso considerar as condições em que elas se encontram e adotar estratégias para apresentá-las a tais práticas.

A importância da mediação escolar na inclusão de uma criança com transtorno do espectro autista na educação infantil

O objetivo dessa formação será trazer o conhecimento sobre tal transtorno e práticas exitosas desenvolvidas por professores da rede pública do DF e pesquisadores do tema.

A Mestre em Educação Silvana Souza fez seu mestrado voltado para a educação Inclusiva com foco na mediação do trabalho docente e  possui vasta experiência em atendimento em Sala de Recursos com crianças autistas e outras deficiências. No dia do curso estará abordando principalmente o tema autismo mas falará sobre o trabalho com (Deficiência Intelectual e Física).